Coaching NÃO é para você!

Existem pessoas que não são e não devem ser clientes de coaching e está tudo bem! Quanto mais cedo você disser isso para pessoa, melhor para você e ela!

Eu já atendi, por exemplo, uma cliente em primeira sessão que ela me disse que a meta dela era ver o ex-namorado dela “arrastando” atrás dela. Eu disse para ela – com toda a segurança do mundo – que nós não poderíamos fazer aquele processo naquele momento. Então ela insistiu: “Não, Dani! Eu quero fazer o processo de coaching com você. Me fala quanto é que eu quero pagar!”. Reafirmei eu falei para ela que não era o momento e que ela deveria continuar fazendo o processo de terapia que ela já estava fazendo.

Que bom que ela me contou que estava fazendo terapia e isso sim poderia ajudá-la de alguma forma, pois ela estava ali presa na dor e o melhor método para ajudá-la seria terapia. Nós como coaches não trabalhamos com questões emocionais, podemos até apoiar os psicólogos neste processo, mas não é o nosso foco. Nós trabalhamos com desenvolvimento da pessoa focada na meta, trabalhando com o presente orientado para o futuro, não com questões relacionadas ao emocional da pessoa, muito menos quando a pessoa está presa na dor, como é o caso do exemplo que citei.

Eu falei pra ela: “Quando você tiver uma meta centrada em você, pode voltar aqui e me procurar, que nós vamos fazer um trabalho incrível juntas.”. E eu tive várias clientes que tiveram como resultado colateral dos processos exatamente o que ela queria, mas nesses casos todas estavam focadas na reconstrução de vida delas e, como consequência, os ex-parceiros se interessaram por elas novamente. Por isso, é muito importante termos essa clareza de que não é porque o cliente está ali interessado em te pagar que você vai vender um processo de coaching para aquela pessoa. Para ser um cliente de coaching, a pessoa tem que estar comprometida, tem que ter uma meta centrada nela e o dinheiro para pagar pelo processo, senão coach e coachee sairão frustrados do processo.

Com Carinho,

Dani Teixeira

Deixe seu comentário...