Coach, e quando o cliente está desempregado?

Sabe quando o cliente está desempregado, e nós ficamos com aquela sensação de “Peraí! Como é que eu vou cobrar dessa pessoa? Será que eu estou forçando a barra se eu cobrar dela?”

Você não tem que sentir isso! Nós não temos que sentir que estamos “forçando a barra” porque estamos cobrando de uma pessoa desempregada. Esse momento da vida daquela pessoa pode ser o melhor momento para ela fazer um processo de coaching. É claro que ela pode estar em um momento em que ela não pode fazer este investimento (e está tudo bem!), mas pode ser um momento de reconstrução, onde ela precisa passar por um processo e ela precisa da sua ajuda.

Eu, como coach (e como pessoa também), tinha um “caminhão” de crenças limitantes com o dinheiro. Eu percebi que eu tinha me libertado dessas crenças no dia que eu atendi uma coachee desempregada e ela me disse que tinha 3 meses de reserva financeira para se manter e sustentar também a filha dela de 3 anos (na época, o Miguel – meu filho – estava também com 3 anos), e eu pensei: “Uau! Meu Deus! Essa mulher só tem 3 meses de reserva.” Ela me perguntou: “Dani, você acha que é o melhor momento para eu investir em um processo de coaching?”, e eu falei para ela: “Com certeza! É o melhor momento para você se dar esse presente e passar por um processo de coaching. Porque você terá clareza do que você precisa neste momento da sua vida, para você decolar e ter resultados muito melhores do que você tem hoje. Mais do que conseguir o seu próximo emprego, você vai entender qual é o melhor emprego para você. Você vai conseguir um emprego que preencha os seus valores, que tenha realmente alinhamento com a sua missão de vida, coisa que você está me contando que não faz ideia do que seja, do que realmente você quer para a sua vida.”.

Eu me senti assim: “Nossa Daniela, agora realmente você foi para o seu próximo nível como profissional!”, porque a Daniela lá de antigamente, lotada de crenças com dinheiro, jamais faria isso! Jamais venderia um processo de coaching para uma pessoa desempregada. Eu, lá de antigamente, o que faria? Eu falaria para essa pessoa: “Não. Ó, faz o seguinte: junta dinheiro, depois você vem aqui. Você tem o meu contato, volta aqui e fecha um processo de coaching comigo quando você tiver com a sua reserva financeira ok.”.

Não, eu superei esse medo e fechei o processo de coaching! Eu realmente me comprometi com ela e vou falar um negócio para você, eu coloquei a minha faixa do Rambo na cabeça e entreguei o meu melhor para aquela cliente. Só aqui entre nós, eu fiz um combinado comigo mesma que, se por acaso chegasse no final do processo e ela me dissesse que não foi legal, que não foi bom para ela e que ela não alcançou a meta dela, eu devolveria o dinheiro para ela, pois eu não tinha a intenção de prejudicar alguém naquela situação. Eu sempre me senti nessa posição como coach, de uma pessoa que está ali para apoiar, para desafiar os meus clientes e por isso não iria prejudicar alguém. A partir do momento que tiramos esse peso dos ombros, nós paramos de nos cobrar tanto, nós entendemos que o nosso papel é apoiar e desafiar os nossos coachees, não alcançar resultados por eles.

O mais legal é que essa pessoa mudou de cidade, conseguiu um emprego e ainda arrumou um namorado de bônus! Eu fiquei muito feliz porque essa cliente me disse: “Dani, esse processo mudou a minha vida. Foi maravilhoso!”. E eu me senti superando as minhas crenças ali naquele momento, com aquele processo. Eu fiz o meu melhor, ela se comprometeu, ela fez o melhor dela e juntas nós alcançamos resultados incríveis. Porque eu me superei e ela se superou também.

Por isso, não se sinta nessa responsabilidade toda de “Meu Deus! Eu estou vendendo para alguém, eu estou forçando a barra! Porque a pessoa não tem dinheiro, ela está desempregada.”. É claro que poderia ser uma pessoa que não tem recursos mesmo e que não está afim de fazer o processo de coaching. Mas, no caso dessa minha cliente, ela estava desempregada e queria sim investir nisso. Então, se eu tivesse ficado toda retraída e não demonstrado confiança para ela, não teria fechado o processo e ela não teria transformado a vida dela.

Já aconteceu algo parecido com você? Como você reagiu? =)

Com Carinho,

Dani Teixeira

1 comentário


  1. Olá bom dia! Gostaria de saber se é possível eu que não tenho habilidades com internet viver desse negócio?

    Responder

Deixe seu comentário...